Viajando para a Itália…

Bem, como você deve ter percebido, este não é um blog de viagens, hehe.

Mas, como acabei de retornar da Italia (sem coronavirus), queria tentar transmitir um pouco pra vocês do charme desse país fantástico, que tem seus defeitos e suas qualidades bem acentuadas.

Antes de qualquer coisa, é importante falar um pouco sobre mim. Não sou um apaixonado por artes, história… Já tive bastante interesse no passado, e hoje fica mais no campo da curiosidade, do que do fanatismo – digamos assim.

No entanto, vale ressaltar, o quanto a Itália é dedicada à preservar sua história (como diversos países europeus), e o quanto da história é possível ver em uma rápida viagem como a minha.

Foto tirada de cima do Castelo Santo Angelo em Roma, que antigamente tinha a responsabilidade de proteger o Vaticano.

Na foto em destaque no post, você pode ver um retrato que tirei na Piazza della Signoria, em Florença, com a estátua de Perseu decapitando a Medusa, uma obra de 1545 (perto do Descobrimento do Brasil), com o Palazzo Vecchio ao fundo, que teve o início da sua construção em 1299.

Eu gosto de ressaltar as datas, pois daí podemos observar parte da diferença econômica e social que nosso país tem em relação aos países europeus. É claro que, provavelmente, você frequentou as aulas de história e bem sabe que, fomos descobertos pelos europeus. E enquanto aqui no Brasil era tudo mato, a europa já tinha se desenvolvido há centenas de anos em diversas áreas. Mas visitar pessoalmente essas esculturas, construções e cidades antigas, é perceber claramente o por quê deste distanciamento.

Algumas coisas que me atraíram na Itália, especialmente em Roma, Veneza e Florença, as cidades em que passei mais tempo… Foram alguns detalhes, tais como: os mercadinhos, extremamente bem arrumados, sempre preocupados com a exposição e organização da comida. Há sempre opções de comidas prontas (só esquentar), um retrato da vida moderna. Existem opções de pratos prontos, que você dificilmente encontra no Brasil. Ou seja, se você chega tarde do trabalho, ou não está muito a fim de cozinhar, mas quer economizar… Ao invés de ir ao restaurante, você pode pegar o prato pronto no mercado. Com comida barata e de qualidade.

Este e outros motivos, me levaram ao encantamento com a Itália, e uma possível vida FIRE no futuro.

Não é um país barato. Longe disso. Mas existem diversas opções interessantes para se viver.

Em alguns bairros, é possível – por exemplo – saber a exata hora que um ônibus irá chegar no ponto. É também possível transitar em trens de alta velocidade por todo o país e também pela europa. São viagens deliciosas em alta velocidade (passando de 300km/h) onde sequer é necessário usar cinto de segurança (eles sequer estão disponíveis nos assentos).

Eu poderia escrever aqui muita coisa sobre a Itália, talvez o faça mais pra frente. Mas queria deixar um pouco da minha percepção do charme do país. Desde criança sempre quis conhecer… E agora que tive a oportunidade, achei que a viagem superou minhas expectativas.

Como ponto negativo, em muitos lugares percebemos um pouco de discriminação por não sermos europeus. E muitas cidades turísticas possuem empreendimentos onde as pessoas não falam inglês. E apesar da facilidade de entender o italiano (um pouco semelhante ao que acontece entre Português e Espanhol), em alguns casos tive dificuldades de me comunicar, devido ao fato de não falarem inglês.
E também me assustou (negativamente) o preço dos pratos com carne bovina. Eu sou um amante de carne, e tive que praticamente fazer uma dieta de carnes (rs) enquanto estive na Itália. Comi a famosa bisteca fiorentina, que custa um rim, mas que não ganha dos grandes churrascos tupiniquins.

Com certeza é um destino que voltarei, para explorar no verão (pois fui no inverno) a sua costa, e a região de Toscana. Entrou na lista de lugares possíveis para viver ou passar um bom tempo após a aposentadoria (Fire).

E você? Já foi ou tem vontade de conhecer a Itália?

5 comentários em “Viajando para a Itália…

  1. A Itália é um país fantástico.

    Tenho vontade de conhecer a Europa. É bacana quando você viaja e busca entender a história do lugar que está visitando e ver todo o contexto que está inserido, infelizmente é difícil viajantes como você que tem essa curiosidade. A maioria do pessoal que conheço e que viaja para a Europa parece enxergar o continente como uma ‘Disneylândia em tamanho continental’ e só querem saber de tirar uma boa foto na frente daquele monumento conhecido, mas que não sabem bulhufas o que significa.

    Aproveitando para perguntar: você acha que ter inglês avançado/fluente é básico pra viajar pela Europa? Com um inglês básico e Google Tradutor (kkk’) não recomendaria uma viagem?

    Att,
    https://poupadordointerior.blogspot.com/

    1. Ótimo comentário.
      Eu, particularmente, gosto de saber a história do lugar.
      E apesar de tirar as citadas fotos com a família (kkkk), eu procuro entender o contexto.
      A viagem fica bem diferente. Minha filha ficava surpresa ao ouvir as histórias dos lugares que visitamos.
      Sobre o inglês, eu considero meu inglês “intermediário”.
      Consigo me virar, com dificuldade em alguns momentos.
      Não sei o que você chama de inglês básico, mas é importante saber fazer perguntas, comprar coisas no mercado, pedir um prato, essas coisas.
      Minha esposa disse que tem um aplicativo bacana que traduz automaticamente o que falamos, mas não chegamos a usar (não foi necessário).
      Vejo muitos turistas que conseguem ir sem conhecimento de inglês (só com google tradutor), e conseguem aproveitar a viagem.
      Eu recomendaria pelo menos umas semanas de estudo intenso no Duolingo (você conhece?). É gratuito, e você pode treinar somente as coisas da viagem.
      Dentro de museus ou esculturas, geralmente tem a história na língua local e em inglês.
      Então, com certeza a viagem fica muito mais rica se conseguir ter algum domínio do idioma.
      Um abraço, Stark.

  2. Nunca tive muuuita curiosidade de conhecer a Itália, tenho outros países como prioridade antes dele, mas os pontos que você destacou realmente são interessantes e despertam uma pontinha de vontade.
    Em relação ao transporte público (aqui onde moro só temos ônibus mesmo) já conseguimos saber o horário exato em que eles passam, o problema ainda persiste nos atrasos por conta do trânsito, ahahha.

  3. Olá!

    Viajar é tudo de bom, a gente sempre aprende algumas coisas novas, e volta com muitas histórias pra contar.

    Europa é cheia de pontos turísticos, centenas de anos de história, precisaria uma vida só pra explorar ela 🙂

    Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo