Todo ano, eu revejo minhas estratégias.

Nestes últimos meses, algumas preocupações tem assolado a minha mente, no que tange a minha estratégia de investimentos.

Uma das maiores preocupações, é o fato de olhar para a minha carteira no futuro, e simular os rendimentos… Acabei percebendo que optei por muitos ativos de “crescimento” em detrimento aos ativos de “geração de caixa/dividendos”. Isso não é errado, perceba que estratégias são escolhas, portanto cada um tem a sua, e o seu jeito de encarar o mercado financeiro. Mas me preocupei pois quero viver de renda no futuro, e terei de acumular muito mais patrimônio para gerar a receita que eu objetivei.

No meu post sobre montagem de carteira, você pode entender um pouco da minha lógica, e vai observar que eu tenho ativos que não geram dividendos, como algumas ações e stocks. De uma certa forma, são ativos que vão me gerar um bom crescimento patrimonial. Porém, como não tenho interesse em tirar dinheiro do montante principal no futuro, não sei se faz muita lógica dedicar uma parte grande da minha carteira para estes ativos. Estou refletindo bastante sobre isso ultimamente.

Hoje minha divisão de ativos é basicamente essa:
Fundos Imobiliários = 30%;
Ações = 25% (sendo que 1/3 destas, não gera dividendos);
Renda Fixa = 20%;
REITs = 15%;
Stocks = 9% (metade não gera dividendos);
Outros (P2P + Bitcoin) = 1%.

Além disso, tenho também meu imóvel (por enquanto estou vivendo nele, portanto não gera rendimentos).

Entendo que estes ativos serão importantes ao longo da jornada, para atuarem como multiplicadores do patrimônio. Mas até que ponto não seria mais vantajoso escolher ativos que geram caixa, que me dariam maior liquidez ao longo da jornada, podendo redirecionar o leme do meu navio enquanto o mercado joga as ondas dele?

Você vê lógica nisso? Também pensa nisso?

A maioria dos blogueiros que leio e sigo, também possuem ativos de crescimento, e não tem muita preocupação com isso na fase da acumulação (eu acho).

Mas e quando eu chegar lá no meu objetivo, e tiver mais de 20% da minha carteira em ativos de crescimento, mas quiser viver de rendimentos? Eu não vou vender os ativos e pagar imposto de renda ou realizar lucros/prejuízos na operação só para redirecionar o leme. Então será que essa é a melhor estratégia?

Sigo ainda pensando no que vou fazer, mas creio que vou (talvez) direcionar meus ativos para opções geradoras de caixa. Como ainda não estou seguro dessa estratégia, decidi publicar aqui minha “angústia” para saber a opinião dos meus amigos blogueiros. O que você acha disso tudo? Qual estratégia segue com sua carteira?

Um abraço, Stark.