Praticamente todos os dias eu paro e reflito sobre este mesmo dilema: viver a vida intensamente (Gastar bastante, viajar, comer bem, etc) ou viver de maneira frugal, simples, com baixos custos, e aportar mais e mais para a independência financeira.

Apesar do nome do Blog ser Acumulador Compulsivo, não me considero um exímio executor da vida frugal. Não sou também de viver luxos. Eu e a Sra Acumuladora possuímos carros populares, não moramos no melhor bairro da cidade e não temos uma vida luxuosa. Não ligamos muito para roupas de marca, mas fazemos questão de gastar um pouco mais com outras questões que alguns adeptos da vida frugal torceriam o nariz, como por exemplo, volta e meia pedimos comidas caras (gostamos de comer, por isso estou acima do peso kkk), gosto de ter bons gadgets como Macbook, iPhone, inclusive um iMac e Apple Watch que nem sei por que eu tenho (pois não uso).

A questão é que, com certeza, nós conseguiríamos poupar bem mais do que poupamos agora, se tivéssemos uma vida ainda mais simples. Porém já vivemos um ou dois níveis abaixo de nossos amigos – que possuem renda parecida. Moramos em uma área mais simples da cidade, mas não economizamos nos detalhes da nossa casa, temos ótimos móveis, eletrodomésticos e outros adornos de casa. É onde passamos bastante tempo (somos caseiros, amamos Netflix) e fazemos questão de ter um certo conforto.

É óbvio que isso faz minha independência financeira ficar mais distante (a parte chata disso tudo), mas não sei se eu viveria feliz se descesse ainda mais degraus no nosso padrão de vida para aportar 40%, 50%, 60% ou mais da nossa renda – como muitos colegas da finansfera fazem.

De qualquer forma somos felizes. Temos muita vontade de empreender – e esse momento está chegando muito perto de acontecer, mas seguimos trabalhando para os outros e vivendo nossa vida.

E você, já viveu este dilema? Desceria mais alguns níveis na sua qualidade de vida para aportar mais e antecipar a independência financeira? Ou acha que deve viver melhor do que vive, mesmo que custe mais alguns meses ou anos de sua independência?