A briga entre Itaú e a XP. Quem perde ou ganha com isso?

Ontem a noite, o Itaú decidiu reagir na batalha pelos milhares de investidores (pessoa física) que entram diariamente na bolsa através das corretoras.

E o alvo, foi especificamente o mercado de analistas de investimento.

Veja o comercial a seguir, vinculado em rede nacional:

A reação veio hoje, através de um textão no Linkedin do Guilherme Benchimol (CEO fundador da XP).

Vou transcrever o texto aqui, denominado: “Resposta ao ataque do Itaú”, postado por ele hoje no linkedin.

“Estamos há 20 anos lutando contra um sistema financeiro concentrado que nunca inovou e nunca se preocupou com o que realmente importa: o cliente!

Tenho certeza que os bancos preferem o Brasil do passado, com juros altos e baixa concorrência, explorando ainda mais os empresários e os investidores individuais.

Quem nunca recebeu uma oferta do seu banco com um cheque especial abusivo, um empréstimo com as mais altas taxas de juros do mundo, um “investimento” na caderneta de poupança, um título de capitalização desnecessário, um fundo com taxas exorbitantes, um consórcio para bater a meta do fim do mês e assim por diante?

Temos muito orgulho do que estamos construindo. Comecei em uma sala de 25m² como assessor de investimentos e conseguimos, quase 20 anos depois, fazer com que mais de 2 milhões de brasileiros invistam melhor. Contribuímos para a criação de uma nova indústria, com mais competição, melhores produtos, melhores serviços e mais alinhamento com o cliente.

Desde o início, levamos educação financeira para as pessoas e mostramos que investimento se faz com visão de longo prazo e transparência.

Para alcançar a nossa missão, contamos com mais de 7.000 assessores independentes, que trabalham incansavelmente para trazer as melhores oportunidades para os investidores.

A nova campanha do Itaú ataca o comissionamento dos assessores na distribuição de produtos financeiros, como se ganhar dinheiro com o trabalho fosse errado. Sempre fomos transparentes nisso. O assessor é um empresário, um empreendedor que tem a sua própria empresa e somente sobrevive se a visão for de longo prazo, com um cliente realmente satisfeito e muita ética em todas as suas atitudes. Se ele falhar, não poderá mudar de emprego, mas, sim, fechará o seu negócio.

Com certeza temos muitos pontos a evoluir, natural de toda empresa. Mas trabalhamos duro para melhorar sempre e tenho orgulho de dizer que temos o maior índice de satisfação de todo o sistema financeiro brasileiro (NPS de 71 auditado). Para nós, essa é a melhor prova da sustentabilidade do nosso negócio.

A campanha do Itaú só reforça que estamos no caminho certo. Para o maior banco do país, com mais de 90 anos de tradição, ir a público e ofender uma profissão tão fundamental para o desenvolvimento financeiro dos brasileiros, é porque realmente percebeu que não consegue mais competir colocando o cliente em primeiro lugar.

Tenho uma certeza: se tem algo que o banco não é, nem nunca foi, é ser feito para você.

Apesar de toda a nossa história, estamos só no começo. Podem ter certeza de que não descansaremos enquanto todos os abusos dos bancos não acabarem.

Nosso propósito: transformar o mercado financeiro para melhorar a vida das pessoas.” (Guilherme Benchimol no Linkedin Pulse).

 

O mais “intrigante” desta nova batalha no mercado financeiro, é que a compra de 49,9% das ações da XP, feita pelo Itaú em 2017, foi um fator extremamente comentado na época, inclusive é um dos grandes impulsionadores da história do Guilherme Benchimol, retratada em detalhes em sua biografia “Na Raça”, que você pode adquirir na imagem abaixo. Foi um dos melhores livros que li nos últimos dois anos.

Ainda não sabemos de muitos detalhes sobre essa “briga”. O que observamos é que o Itaú perde clientes para a XP e para as corretoras independentes aos montes, há anos. E nunca vimos uma ação de enfrentamento contundente, até o momento que o Itaú comprou (quase) metade da XP, uma óbvia jogada de “se não pode contra o inimigo, junte-se à ele”.

Esta nova movimentação no tabuleiro de xadrez do mercado financeiro, abre o precedente ideal para uma nova guerra por clientes. Já imagino diversos influenciadores digitais (muitos patrocinados pelas corretoras) entrando na guerra.

Na minha humilde análise, o Itaú cansou de perder clientes e decidiu entrar na guerra. O comercial, em tom jocoso e vulgar, denigre fortemente a imagem dos assessores de investimentos. E eles são o principal braço de corretoras como a XP. Resta saber quem sairá “vitorioso” da briga, se é que haverá algum.

Até o momento desta publicação, as ações das duas empresas abriram em queda. Vamos ver a reação do mercado.

Alguns amigos investidores chegaram a dizer que era uma briga “armada” para buscar engajamento. Eu acho muito difícil, sendo os assessores um braço forte da XP, acho difícil a XP tramar algo tão ruim para a imagem deles.

Pra você, qual a finalidade desta briga?

 

13 comentários em “A briga entre Itaú e a XP. Quem perde ou ganha com isso?

  1. Eu vi o comercial na televisão e confesso que achei extremamente agressivo e algo que é inusual do Itaú, não lembro de ver o Itaú partindo pro ataque contra os concorrentes de forma tão direta e no ‘seco’, normalmente quem faz isso é o Santander.

    A popularização do mercado financeiro nos últimos anos foi muito bacana, é bom que as pessoas tenham acesso facilitado a vários tipos de investimento e muitos tem se interessado pela diversificação, MAS vejo muita gente despreparada falando e ‘vendendo’ investimentos por aí (assessor, gerente de banco e influencer), a propaganda fala como se os assessores estivessem agindo de má fé, acho que força um pouco a barra, mas é um tópico importante a questão da remuneração, eu ficaria desconfortável ao entrar em uma loja de algum produto que não conheço e saber que o vendedor ganha mais se eu comprar X do que seu comprar Y.

    Eu particularmente não invisto com assessor de investimento ou gerente de banco, prefiro fazer sozinho, assim garanto que estou investindo baseado na minha livre e espontânea intuição e conhecimento, e confesso que sempre me foi prazeroso pois eu acabo me conhecendo melhor.

    O que eu não gosto é essa narrativa do comunicado da XP, o cara vendeu 49,9% da empresa para o Itaú pouco tempo atrás e agora que vir dar lição de moral de que ele combate o Itaú?

    Acho que precisamos enxergar além da propaganda, uma guerra entre XP e Itaú quem vai ganhar é o consumidor, a concorrência é saudável. Vamos aguardar os próximos capítulos.

    Abraços,
    Pi.
    https://poupadordointerior.blogspot.com/

  2. Achei o máximo. Exatamente o que eu penso. Ano passado essa modinha de corretora e sair dos bancos levou mta gente a perder até as calças este ano. 99% dos brasileros nao sabem oque fazem e nem o que a bolsa pode trazer de ruim….

  3. Itáu tocou numa ferida da XP mesmo. Com certeza a XP tem todo o mérito de alavancar o movimento de “popularização” de investimento e tal, mas obviamente os assessores possuem sim um conflito de interesses claro. O que é melhor para a XP e, consequentemente dá mais comissão para o assessor, é pior para o cliente.

    Comecei a investir na XP e usava o Itaú apenas como banco. Tenho uma renda boa e volume de investimentos idem, já era do segmento Personnalite e me propuseram transferir os investimentos da XP para a Itaú Corretora com vários benefícios, tais como cartão black/infinite com anuidade gratuita e com custo de corretagem para ações inferior ao que tinha na XP (FIIs também não cobram corretagem). Além da facilidade de ter tudo em um local só, um benefício na minha opinião.

    Não tenho o que reclamar da Itau Corretora, não me mandam email incomodando com “Oportunidade”, como recebia quase diariamente da XP. E ainda tive o desprazer de ter um antigo colega de trabalho que virou assessor XP, que após anos sem contato, passou semanas insistindo e incomodando para migrar investimentos para a XP novamente. Como argumento ainda falava que ele mesmo estava aplicando só em fundos da própria XP (como se isso fosse bonito) e etc…

    Importante observar que o foco da propaganda foi o segmento Itaú Personnalite. Com certeza quem está no Uniclass ou outro deve sofrer mais nas mãos dos gerentes de conta e etc…

    1. Ótimo comentário, Pedro.
      Eu não sou cliente mais do Itaú Personnalité e também não tenho investimentos na XP.
      Nunca passei pela experiência de ter assessores ou gerentes me mandando “oportunidades”.
      Acho isso extremamente contra intuitivo (para meu perfil de investidor), portanto procuro passar longe.
      Mas você fez uma observação correta, a propaganda foi do Personnalite.
      Mas já imaginou o impacto que isso vai causar nos milhares de AAI?
      Quem não trabalhava com ética, está lascado. Os clientes ficarão mais alertas!!
      No fundo, acho que isso será bom para os clientes, como respondi em outro comentário.
      Acredito que haverá uma batalha por menores custos.
      Grande abraço e obrigado pela visita!

  4. Vi gente dizendo que é tudo armação publicitária, mas penso que não seja, pois acaba afetando a imagem das 2 empresas. A do Itaú, por ter custos escorchantes. A da XP, por ter assessores que não pensam no cliente.

    Tenho conta na XP (só operava FIIs por ser gratuito e há 2 semanas, consegui reduzir a taxa de corretagem para R$ 3,50 a fim de adquirir BDRs) e depois de perceber a insistência em oferecer produtos ruins (COE, por exemplo), deixei bem claro que eu não preciso de assessoramento e que eu mesmo faço a escolha e gerenciamento dos ativos que compõe a carteira. Aí, me deram paz. Quando você mostra que tem conhecimento (notei que boa parte dos assessores com quem tive contato é muito fraca a respeito de conhecimento sobre o mercado financeiro) , o assessor acaba desistindo de fazer as ofertas.

    Não justifica a XP cobrar quase R$ 20,00 numa única operação na bolsa, se você, hoje, pode acessar o mercado global, pagando 0 de corretagem (TD Ameritrade, Passfolio, Charles Schwab, por exemplo). Tenho visto um movimento crescente (acredito que veio para ficar) de pessoas focando os novos investimentos apenas nas bolsas dos EUA (alguns, inclusive, zerando posições no Brasil). Daí, as corretoras nacionais terão que se mexer e abaixar ou até zerar as corretagens, criando outras alternativas para custear o serviço (como, por exemplo, usar o flow).

    Nós, consumidores, tendemos a ganhar com isso. Boato de compra do setor de investimentos do Banco Inter pelo BTG. Credit Suisse fazendo parceria com a Modal Mais. Easynvest também correndo atrás.

    Aguardemos.

    1. Fala Mente.
      Seus comentários são sempre muito bem vindos.
      Também não acho (ainda) que é uma ação puramente de marketing, pois isso com certeza manchará a imagem dos assessores de investimentos (que hoje são um forte braço da XP).
      Acho que a única possibilidade disso ser marketing, seria da XP ter decidido abrir mão de ter assessores, e ir pro varejo direto, de cara. Mas acho isso bem difícil.
      No fundo, concordo com você que os consumidores provavelmente irão ganhar com isso.
      Grande abraço e vamos ver os próximos capítulos da história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo